terça-feira, 2 de setembro de 2008

"A mesa", Carlos Drummond de Andrade

Enquanto preparava uma pequena antologia poética de Drummond para a aula de quinta-feira, fiquei triste ao perceber que o material ficaria muito extenso se incluísse um poema que adoro intitulado "A mesa" (1951), publicado no livro Claro enigma (1948-51). Esse poema é uma obra-prima!

A mesa

E não gostavas de festa. . .
Ó velho, que festa grande
hoje te faria a gente.
E teus filhos que não bebem
e o que gosta de beber,
em torno da mesa larga,
largavam as tristes dietas,
esqueciam seus fricotes,
e tudo era farra honesta
acabando em confidência.
Ai, velho, ouvirias coisas
de arrepiar teus noventa.
E daí, não te assustávamos,
porque, com riso na boca,
e a nédia galinha, o vinho
português de boa pinta,
e mais o que alguém faria
de mil coisas naturais
e fartamente poria
em mil terrinas da China,
já logo te insinuávamos
que era tudo brincadeira.
Pois sim. Teu olho cansado,
mas afeito a ler no campo
uma lonjura de léguas,
e na lonjura uma rês
perdida no azul azul,
entrava-nos alma adentro
e via essa lama podre
e com pesar nos fitava
e com ira amaldiçoava
e com doçura perdoava
(perdoar é rito de pais,
quando não seja de amantes).
E, pois, tudo nos perdoando,
por dentro te regalavas
de ter filhos assim. . . Puxa,
grandessíssimos safados,
me saíram bem melhor
que as encomendas. De resto,
filho de peixe. . . Calavas,
com agudo sobrecenho
interrogavas em ti
uma lembrança saudosa
e não de todo remota
e rindo por dentro e vendo
que lançaras uma ponte
dos passos loucos do avô
à incontinência dos netos,
sabendo que toda carne
aspira à degradação,
mas numa via de fogo
e sob um arco sexual,
tossias. Hem, hem, meninos,
não sejam bobos. Meninos?
Uns marmanjos cinqüentões,
calvos, vividos, usados,
mas resguardando no peito
essa alvura de garoto,
essa fuga para o mato,
essa gula defendida
e o desejo muito simples
de pedir à mãe que cosa,
mais do que nossa camisa,
nossa alma frouxa, rasgada. . .
Ai, grande jantar mineiro
que seria esse. . . Comíamos,
e comer abria fome,
e comida era pretexto.
E nem mesmo precisávamos
ter apetite, que as coisas
deixavam-se espostejar,
e amanhã é que eram elas.
Nunca desdenhe o tutu.
Vá lá mais um torresminho.
E quanto ao peru? Farofa
há de ser acompanhada
de uma boa cachacinha,
não desfazendo em cerveja,
essa grande camarada.
Ind'outro dia. . . Comer
guarda tamanha importância
que só o prato revele
o melhor, o mais humano
dos seres em sua treva?
Beber é pois tão sagrado
que só bebido meu mano
me desata seu queixume,
abrindo-me sua palma?
Sorver, papar: que comida
mais cheirosa, mais profunda
no seu tronco luso-árabe,
que a todos nos une em um
tal centímano glutão,
parlapatão e bonzão!
E nem falta a irmã que foi
mais cedo que os outros e era
rosa de nome e nascera
em dia tal como o de hoje
para enfeitar tua data.
Seu nome sabe a camélia,
e sendo uma rosa-amélia,
flor muito mais delicada
que qualquer das rosas-rosa,
viveu bem mais do que o nome,
porém no íntimo claustrava
a rosa esparsa. A teu lado,
vê: recobrou-se-lhe o viço.
Aqui sentou-se o mais velho.
Tipo do manso, do sonso,
não servia para padre,
amava casos bandalhos;
depois o tempo fez dele
o que faz de qualquer um;
e à medida que envelhece,
vai estranhamente sendo
retrato teu sem ser tu,
de sorte que se o diviso
de repente, sem anúncio,
és tu que me reapareces
noutro velho de sessenta.
Este outro aqui é doutor,
o bacharel da família,
mas suas letras mais doutas
são as escritas no sangue,
ou sobre a casca das árvores.
Sabe o nome da florzinha
e não esquece o da fruta
mais rara que se prepara
num casamento genético,
Mora nele a nostalgia,
citadino, do ar agreste,
e, camponês, do letrado.
Então vira patriarca.
Mais adiante vês aquele
que de ti herdou a dura
vontade, o duro estoicismo.
Mas, não quis te repetir.
Achou não valer a pena
reproduzir sobre a terra
o que a terra engolirá.
Amou. E ama. E amará.
Só não quer que seu amor
seja uma prisão de dois,
um contrato, entre bocejos
e quatro pés de chinelo.
Feroz a um breve contato,
à segunda vista, seco,
à terceira vista, lhano,
dir-se-ia que ele tem medo
de ser, fatalmente, humano.
Dir-se-ia que ele tem raiva,
mas que mel transcende a raiva,
e que sábios, ardilosos
recursos de se enganar
quanto a si mesmo: exercita
uma força que não sabe
chamar-se, apenas, bondade.
Esta calou-se. Não quis
manter com palavras novas
o colóquio subterrâneo
que num sussurro percorre
a gente mais desatada.
Calou-se, não te aborreças,
Se tanto assim a querias,
algo nela ainda te quer,
à maneira atravessada
que é própria de nosso jeito.
(Não ser feliz tudo explica.)
Bem sei como são penosos
esses lances de família,
e discutir neste instante
seria matar a festa,
matando-te — não se morreu
ma só vez, nem de vez.
Restam sempre muitas vidas
para serem consumidas
na razão dos desencontros
de nosso sangue nos corpos
por onde vai dividido.
Ficam sempre muitas mortes
para serem longamente
reencarnadas noutro morto.
Mas estamos todos vivos.
E mais que vivos, alegres.
Estamos todos como éramos
antes de ser, e ninguém
dirá que ficou faltando
algum dos teus. Por exemplo:
ali ao canto da mesa,
não por humilde,
talvezpor ser o rei dos vaidosos
e se pelar por incômodas
posições de tipo gauche,
ali me vês tu. Que tal?
Fica tranqüilo: trabalho.
Afinal, a boa vida
ficou apenas: a vida
(e nem era assim tão boa
e nem se fez muito má).
Pois ele sou eu. Repara:
tenho todos os defeitos
que não farejei em ti
e nem os tenho que tinhas,
quanto mais as qualidades.
Não importa: sou teu filho
com ser uma negativa
maneira de te afirmar.
Lá que brigamos, brigamos,
opa! que não foi brinquedo,
mas os caminhos do amor,
só amor sabe trilhá-los.
Tão ralo prazer te dei,
nenhum, talvez... ou senão,
esperança de prazer,
é, pode ser que te desse
a neutra satisfação
de alguém sentir que seu filho,
de tão inútil, seria
sequer um sujeito ruim.
Não sou um sujeito ruim.
Descansa, se o suspeitavas,
mas não sou lá essas coisas.
Alguns afetos recortam
o meu coração chateado.
Se me chateio? demais.
Esse é meu mal. Não herdei
de ti essa balda. Bem,
não me olhes tão longo tempo,
que há muitos a ver ainda.
Há oito. E todos minúsculos,
todos frustrados. Que flora
mais triste fomos achar
para ornamento de mesa!
Qual nada. De tão remotos,
de tão puros e esquecidos
no chão que suga e transforma,
são anjos. Que luminosos!
que raios de amor radiam,
e em meio a vagos cristais,
o cristal deles retine,
reverbera a própria sombra.
São anjos que se dignaram
participar do banquete,
alisar o tamborete,
viver vida de menino.
São anjos. E mal sabias
que um mortal devolve a Deus
algo de sua divina
substância aérea e sensível,
se tem um filho e se o perde.
Conta: quatorze na mesa.
Ou trinta? serão cinqüenta,
que sei? se chegam mais outros,
uma carne cada dia
multiplicada, cruzada
a outras carnes de amor.
São cinqüenta pecadores,
se pecado é ter nascido
e provar, entre pecados,
os que nos foram legados.
A procissão de teus netos,
alongando-se em bisnetos,
veio pedir tua bênção
e comer de teu jantar.
Repara um pouquinho nesta,
no queixo, no olhar, no gesto,
e na consciência profunda
e na graça menineira,
e dize, depois de tudo,
se não é, entre meus erros,
uma imprevista verdade.
Esta é minha explicação,
meu verso melhor ou único,
meu tudo enchendo meu nada.
Agora a mesa repleta
está maior do que a casa.
Falamos de boca cheia,
xingamo-nos mutuamente,
rimos, ai, de arrebentar,
esquecemos o respeito
terrível, inibidor,
e toda a alegria nossa,
ressecada em tantos negros
bródios comemorativos
(não convém lembrar agora),
os gestos acumulados
de efusão fraterna,
atados(não convém lembrar agora),
as fína-e-meigas palavras
que ditas naquele tempo,
teriam mudado a vida
(não convém mudar agora),
vem tudo à mesa e se espalha
qual inédita vitualha.
Oh que ceia mais celeste
e que gozo mais do chão!
Quem preparou? que inconteste
vocação de sacrifício
pôs a mesa, teve os filhos?
quem se apagou? quem pagou
a pena deste trabalho?
Quem foi a mão invisível
que traçou este arabesco
de flor em torno ao pudim,
como se traça uma auréola?quem tem auréola? quem não
a tem, pois que, sendo de ouro,
cuida logo em reparti-la,
e se pensa melhor faz?
quem senta do lado esquerdo,
assim curvada? que branca,
mas que branca mais que branca
tarja de cabelos brancos
retira a cor das laranjas,
anula o pó do café,
cassa o brilho aos serafins?
quem é toda luz e é branca?
Decerto não pressentias
como o branco pode ser
uma tinta mais diversa
da mesma brancura. . . Alvura
elaborada na ausênciade ti,
mas ficou perfeita,
concreta, fria, lunar.
Como pode nossa festa
ser de um só que não de dois?
Os dois ora estais reunidos
numa aliança bem maior
que o simples elo da terra.
Estais juntos nesta mesa
de madeira mais de lei
que qualquer lei da república.
Estais acima de nós,
acima deste jantar
para o qual vos convocamos
por muito — enfim — vos querermos
e, amando, nos iludirmos
junto da mesa
vazia.

14 comentários:

leonardo disse...

professora, ñ tenho sensibilidade poética p/ comentar sobre o poema hahaha...
enfim, qual é msm o tema da redação q vc passou na últma aula???
até...

Luciana disse...

Léo,
ninguém nasce com sensilibidade poética, nós que a construímos a partir de nossas leituras. Portanto, se você só tiver lido esse poemão, já fico muito satisfeita :)
Sobre o tema de redação, tô na dúvida se vc é aluno do pré-vest/pré-militar ou da turma especial...
Então, vou colocar os dois, ok?
Turma especial: discutimos a questão das cotas raciais para ingresso em universidades públicas. Foi pedida uma Argumentação, na qual o aluno deveria posicionar-se contra ou a favor à questão das cotas para negros.
Pré-militar/Pré-vest: discutimos dois textos que tratam da questão do direito à liberdade na publicidade. Um defende a tese de que publicidade não é informação, portanto, está sujeita a limites e controles por parte da sociedade. O outro defende que proibir/ limitar a propaganda é uma espécie de censura, ferindo, assim, o direito do cidadão à informação. Foi pedida uma dissertação-argumentativa, na qual o aluno deveria deixar sua posição clara.
Em suma, se você faltou e não possui a coletânea de textos, recomendo que busque-a o mais rápido possível no curso, pois sem ela fica difícil realizar a redação.
Beijos

leonardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
leonardo disse...

obrigado professora...
pode deixar, eu tenho os textos sim, só tinha esqcido do tema msm!
ah, sou da turma do vestiba...sempre sento la no canto, e vc adora me pedir silêncio hahaha...lembrou???
entao, até quinta...

Luciana disse...

Agora lembrei, rs.
Até quinta!
Beijos

Albuquerque disse...

Li, mas não consigo gostar disso! Quem sabe mais pra frente!

Chali disse...

É um poemão mesmo hein?!
Mas...gostei!
Dá pra imaginar td direitinhu..heauihe...
Acho que estou começando a gostar disso, hein professora! heauih...
Nunca gostei, nem nunca tive paciência pra ler poesias, mas das duas postadas aqui, gostei muito!

Bjaum

Luciana disse...

Rafa, pelo menos você leu e isso já é meio caminho andado!

Chali, que bom que você esteja gostando mais de poesia!

Chamo a atenção de vocês para um trecho do poema em que Drummond fala de sua adoradíssima filha Maria Julieta, olha que lindo:

"Repara um pouquinho nesta,
no queixo, no olhar, no gesto,
e na consciência profunda
e na graça menineira,
e dize, depois de tudo,
se não é, entre meus erros,
uma imprevista verdade.
Esta é minha explicação,
meu verso melhor ou único,
meu tudo enchendo meu nada."

Maravilhoso, né?
Beijos

bastaestarvivo disse...

Oi,
eu estava procurando o poema 'a mesa' no google pra mandar pra uma amiga e vim parar no seu blog.
Achei linda a sua forma de se comunicar com seus alunos, passando textos tão maravilhosos assim pra eles, fiquei emocionado mesmo, gostaria de ter tido professores assim.
Parabéns.

Cristina Medeiros disse...

Tenho minhas duvidas sobre isso de construir sensibilidade poética... pode ser que sim, né? assim como alguem que nunca tocou nada fazendo aulas pode aprender um instrumento, mas... é engraçado, acho que algumas pessoas são mais propensas a gostar de poesia.. tanto pra ler, como para perceber no dia a dia, sem esforço... acho que algumas tem também uma tendência a serem meio "gauches" na vida, rsrsrs. Adoro esse poema, e tantas outras coisas do Drummond

Luciana disse...

Cristina,
acho que você tem razão: algumas pessoas já nascem sensíveis e conseguem olhar o mundo sempre com "olhos de criança", rs.
Mas que dá pra desenvolver a sensibilidade,ah!, isso dá!
Visitei seu blog e percebi como a poesia constrói o seu olhar. Belas palavras as suas.
Obrigada pela visita e volte sempre,
Luciana

Observador disse...

Olá, Luciana.
Bom dia. Hoje, Dia dos Pais, me veio à memória o poema do Drummond, em que ele fala sobre a filha Julieta, dizendo ser ela a sua grande obra.
Não lembrava do verso, apenas da idéia expressa. E nem de qual poema ele fazia parte. Pesquisando pelo Google, cheguei ao seu blog. Fiquei feliz de reler esse poema maravilhoso (A Mesa) e também de ver a maneira delicada como você conduz seus alunos pelo mundo da poesia.
Desejo que você esteja colhendo muitos frutos em sua jornada, ajudando a encher esse mundo de poesia.
Abraços
Marcelo Roza

Luciana Messeder disse...

Olá Marcelo,
muito bacana seu comentário! Obrigada!
Fiquei feliz por ter ajudado!
Um abraço,
Luciana

Observador disse...

Legal, Luciana.
Postei a poesia no meu Face e fiz uma menção ao seu blog. Aparece por lá, para dar uma olhada. Algumas pessoas curtiram. Não muitas, porque, como sabemos, poesia não dá muito "ibope". rsrsrs.
Abraços
Marcelo