quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Vanguardas européias

Turma especial, coloco a seguir algumas das mais representativas obras das vanguardas européias:

Henry Matisse, A dança, 1910. (Fauvismo)

Pablo Picasso, Les demoiselles d`Avignon, 1910. (Cubismo)

Paul Klee, Angelus Novus, 1932. (Expressionismo)
Marcel Duchamp, A fonte, 1917. (Dadaísmo)
Piet Mondrian, Composição, 1920. (Abstracionismo)
Wassily Kandinsky, Composição VIII, 1923. (Abstracionismo)

Salvador Dali, A persistência da memória, 1931. (Surrealismo)

Renè Magritte, A violação, 1948. (Surrealismo)
Então, o que me dizem?

8 comentários:

Lilis disse...

Heehehe...essas obras se parecem com umas figuras que aparecem nos meus sonhos malucos (ou pesadelos, sei lá!).
Dá pra viajar bastante nessas obras surrealistas e nas outras também...

Chali disse...

hahha...concordo plenamente com lilis, essas obras parecem com uns sonhos malucos que pessoas malucas como nós têm!!!
Não me agrdam mto não!

Luciana disse...

Lilis,
a palavra-chave do surrealiamo é o sonho, o inconsciente, e você entendeu isso, mesmo sem ter essa aula, parabéns! Que sonhos artísticos você tem, heim? rs
Outra coisa: boa sorte no concurso do fim de semana, sei que você vai arrasar na redação! Lembre-se das nossas aulas, concentre-se, respire fundo e escreva! Ah! Não se esqueça de levar um bombom pra dar uma animada, hehehe.
Beijão e boa sorte!

Luciana disse...

Chali,
você também entendeu o espírito da coisa. E todo mundo tem um pouquinho de maluco e artista, né?rs
Beijos e continue comentando!
P.S.: Chali é um apelido? Não estou conseguindo lembrar quem é você!

Aline Simões disse...

Aquelas coisas sem definição certa que você mostrou na sala, dizendo que são arte né HAHAHAHA =)
Brincadeira prof, mas como todo falaram, são muito surreais para o meu gosto ! =)

Aline Simões disse...

todos*

Luciana disse...

Pessoal,
vocês têm apenas uma idéia inicial da loucura das vanguardas, rs.
Um trecho do Manifesto Dadá, de 1918 (êpa! mais uma data!), escrito por Tristan Tzara:

"Para fazer uma poesia dadaísta: Pegue um jornal. Pegue uma tesoura. Escolha no jornal um artigo que tenha o comprimento que você deseja dar à sua poesia. Recorte o artigo. Corte de novo com cuidado, cada palavra que forma este artigo e coloque todas as palavras num saquinho. Agite delicadamente. Tire uma palavra depois da outra as colocando na ordem em que você as tirou. Copie-as conscienciosamente. A poesia se parecerá com você. Ei-lo transformado em escritor infinitamente original e dotado de encantadora sensibilidade..."

Loucos, fascinantemente, loucos!

Aline Simões disse...

Ahhh, eu cheguei a fazer essa "experiência" no colégio com a professora de literatura. Até que eu achei legal, meio louco, mas espontâneo =)

Beijos